Perfil Análise de Reabsorção Óssea

Análise de Reabsorção Óssea – Urina

Sinais de aviso de perda óssea?

Infelizmente, não há nenhum …

Acelerada perda óssea afeta mais de 44 milhões de americanos com 50 anos de idade e mais velhos. 80% deles são mulheres. Mas os homens, as mulheres mais jovens e saudáveis, os indivíduos ativos também podem experimentar o desgaste perigoso e enfraquecimento dos ossos associados à osteoporose. A análise da reabsorção óssea pode não só identificar os indivíduos em risco, mas também controlar o efeito das intervenções terapêuticas.

Densidade óssea = Formação – Reabsorção

O osso é um tecido muito ativo, em remodelação “constante”, com ambos os processos, de formação e reabsorção. A perda líquida de massa óssea ocorre quando a taxa de reabsorção excede à taxa de formação de osso novo. A taxa de perda óssea é altamente variável de um indivíduo para outro. Desde o processo de formação óssea é difícil a avaliação, sendo importante para identificar os homens e as mulheres com reabsorção óssea rápida. Esses indivíduos estão em maior risco para a osteoporose beneficiando mais a intervenção terapêutica.

Desagregação específica do colágeno ósseo

A proteína da matriz do osso sobre o qual a estrutura mineral é acumulado consiste em colágeno tipo I. Colágeno tipo I do osso contém estruturas cruzadas de proteínas únicas que dão maior estabilidade. A reabsorção óssea ativa exige uma ruptura desta estrutura de proteína, os fragmentos de peptídeo a partir desta classificação são excretados na urina. Desde que a reabsorção óssea seja um processo relativamente constante, a quantidade de peptídeos específicos encontrados na urina fornece uma medida exata da taxa de reabsorção óssea.

A análise da reabsorção óssea mede o fragmento de desoxipiridinolina de avaroa do colágeno tipo I, a partir de uma única amostra de urina. Este é o fragmento que contém o ponto de ligação cruzada e tem demonstrado ser mais específico da reabsorção óssea de avaria de fragmentos medido em alguns ensaios anteriores.

Simples e custo-benefício efetivo

Cintilografias ósseas seriadas são caras e não indicam atividade óssea presente. Além disso, elas só podem detectar mudanças na densidade óssea durante longos períodos de tempo, muitas vezes até doze meses. A análise da reabsorção óssea detecta por marcadores bioquímicos refletem a atividade atual remodelação. O custo relativamente baixo deste exame, faz com que seja uma ferramenta de baixo custo para monitorar como rotina as taxas de reabsorção óssea e da eficácia da terapia. As medidas repetidas a cada seis a doze semanas irão monitorar a eficácia das intervenções terapêuticas e permitir ajustes em tempo útil.

Características:

– Análise da desoxipiridinolina, avaliação mais precisa da perda óssea corrente.
– Um teste simples e rentável, permitindo em “tempo real” o acompanhamento da eficácia terapêutica.
– Um guia para as intervenções para restaurar a saúde óssea ou perda óssea lenta.

Publicações Recentes